UMA REVISÃO SOBRE A TERAPIA ESTROGÊNICA NO TRATAMENTO DO PROLAPSO DE ÓRGÃOS PÉLVICOS EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA

UMA REVISÃO SOBRE A TERAPIA ESTROGÊNICA NO TRATAMENTO DO PROLAPSO DE ÓRGÃOS PÉLVICOS EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA

INFARTO CEREBRAL CAUSADO PELA SÍNDROME DO NÓ SINUSAL ATRAVÉS DE FORAME OVAL PATENTE
14/07/2023
AZITROMICINA ORAL INTRAPARTO REDUZ A MORTALIDADE POR SEPSE NEONATAL?
14/07/2023
INFARTO CEREBRAL CAUSADO PELA SÍNDROME DO NÓ SINUSAL ATRAVÉS DE FORAME OVAL PATENTE
14/07/2023
AZITROMICINA ORAL INTRAPARTO REDUZ A MORTALIDADE POR SEPSE NEONATAL?
14/07/2023

Este artigo de revisão avalia os efeitos da terapia com estrogênio, sozinha ou em combinação com outros tratamentos, no prolapso de órgãos pélvicos (POP) em mulheres pós-menopáusicas.

Foram identificados 14 estudos com um total de 1002 mulheres. Em geral, os estudos apresentavam alto risco de viés em relação ao cegamento dos participantes e pessoal, além de preocupações com a comunicação seletiva dos resultados. Devido a dados insuficientes para os desfechos de interesse, não foi possível realizar as análises planejadas em subgrupos (estrogênio sistêmico versus tópico, mulheres com e sem filhos, mulheres com e sem útero).

Nenhum estudo avaliou os efeitos da terapia com estrogênio isolada versus nenhum tratamento, placebo, treinamento muscular do assoalho pélvico, dispositivos como pessários vaginais ou cirurgia. No entanto, foram identificados três estudos que avaliaram a terapia com estrogênio em conjunto com pessários vaginais versus pessários vaginais isolados e 11 estudos que avaliaram a terapia com estrogênio em conjunto com cirurgia versus cirurgia isolada.

Os autores concluíram que não há evidências suficientes de ensaios clínicos randomizados para tirar conclusões sólidas sobre os benefícios ou danos da terapia com estrogênio no tratamento dos sintomas do POP em mulheres pós-menopáusicas.

 O estrogênio tópico em conjunto com pessários apresentou menos eventos adversos vaginais em comparação com os pessários isolados, e o estrogênio tópico em conjunto com a cirurgia foi associado a uma redução nas infecções do trato urinário pós-operatórias em comparação com a cirurgia isolada. No entanto, esses achados devem ser interpretados com cautela, pois os estudos que contribuíram com os dados variaram substancialmente em seu desenho.

É necessário realizar estudos maiores sobre a eficácia e o custo-efetividade da terapia com estrogênio, utilizada isoladamente ou em combinação com treinamento muscular do assoalho pélvico, pessários vaginais ou cirurgia, para o tratamento do POP. Esses estudos devem medir os desfechos a médio e longo prazo.

Fonte: Oestrogen therapy for treating pelvic organ prolapse in postmenopausal women – PubMed (nih.gov)

doctorhub.com.br

Comments are closed.