Recaídas e Cognição na Esclerose Múltipla | DoctorHub

Recaídas e Cognição na Esclerose Múltipla

Levodopa inalada pode ter benefícios para a doença de Parkinson
02/02/2022
Papel do epitélio pigmentar da retina na DMRI
02/02/2022
Levodopa inalada pode ter benefícios para a doença de Parkinson
02/02/2022
Papel do epitélio pigmentar da retina na DMRI
02/02/2022

Ann. Neurol; 2022 Jan 04

  • Este estudo sueco de quase 4.000 pacientes com EM avaliou a relação temporal entre recaída e alterações na cognição, medida pelo teste de modalidades de dígitos de símbolos (SDMT; um teste para avaliar a velocidade de processamento de informações). Os autores identificaram um declínio significativo nas pontuações do SDMT começando 30 dias antes da recaída e durando mais de um ano após a recaída antes do retorno aos níveis de remissão.

  • Este estudo sugere que as recaídas de EM estão associadas a alterações agudas na cognição que precedem o início da recaída em até um mês e se recuperam lentamente ao longo de mais de um ano. Dado que os mecanismos da disfunção cognitiva na EM permanecem incompletamente compreendidos, esses achados indicam uma ligação entre a cognição e a inflamação aguda na EM.

OBJETIVO

O objetivo deste estudo foi explorar a relação longitudinal entre recaídas de esclerose múltipla (EM) e eficiência de processamento de informações entre pessoas com EM recorrente-remitente.

MÉTODOS

Realizamos um estudo de coorte nacional sueco de pessoas com EM recorrente-remitente incidente (2001-2019). As informações de recaída e as pontuações do teste de modalidades de dígitos de símbolos (SDMT) foram obtidas do Registro MS sueco. O seguimento foi categorizado em 2 períodos com base no estado de recaída: “recaída” (90 dias pré-recaída a 730 dias pós-recaída, subdividido em 10 períodos) e “remissão”. Modelos lineares mistos compararam as pontuações do SDMT durante os períodos de recaída com as pontuações do SDMT registradas durante a remissão (referência) com resultados relatados como coeficientes β e intervalos de confiança de 95% (ICs), ajustados para idade, sexo, tipo de SDMT (escrito vs oral), tempo -exposição à terapia modificadora da doença e sequência de SDMT.

RESULTADOS

Ao longo de um seguimento médio (SD) de 10,7 (4,3) anos, 31.529 SDMTs distintos foram registrados entre 3.877 pessoas com EM. Houve um declínio significativo na eficiência do processamento de informações que durou de 30 dias pré-recaída até 550 dias pós-recaída, com o maior declínio ocorrendo de 0 a 30 dias após a recaída (coeficiente β: -4,00 (IC 95% = – 4,61 a -3,39), em relação ao período de remissão.

INTERPRETAÇÃO

Encontramos evidências de alteração cognitiva até 1 mês antes do início da recaída. A redução no SDMT durou 1,5 anos e foi clinicamente significativa até 3 meses após a recaída. Esses resultados sugerem que os efeitos de uma recaída na cognição são mais longos do que se pensava anteriormente e destacam a importância de reduzir as taxas de recaída como um meio potencial de preservar a função cognitiva. AN NEUROL 2022.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.