Papel do epitélio pigmentar da retina na DMRI | DoctorHub

Papel do epitélio pigmentar da retina na DMRI

Recaídas e Cognição na Esclerose Múltipla
02/02/2022
Sintomas oculares agudos em crianças saudáveis devido à escola virtual
02/02/2022
Recaídas e Cognição na Esclerose Múltipla
02/02/2022
Sintomas oculares agudos em crianças saudáveis devido à escola virtual
02/02/2022

Br J Oftalmol · 10 de dezembro de 2021

  • Nesta revisão sistemática, a disfunção do epitélio pigmentar da retina (EPR), particularmente em termos de metabolismo lipídico e produção de energia, foi avaliada como um potencial alvo terapêutico em pacientes com degeneração macular relacionada à idade precoce (DMRI). Notavelmente, o processamento e reciclagem de lipídios deficientes, juntamente com a produção de energia mitocondrial, foram identificados como duas funções significativas do EPR que podem retardar a progressão geral da DMRI sem a necessidade de fenotipagem específica ou tratamento individualizado. O potencial de novos tratamentos, como o elamipretide, que atualmente está sendo avaliado como tratamento para isquemia cardíaca e disfunção mitocondrial, para a terapia da DMRI também é discutido.

  • A DMRI é uma doença com ampla apresentação fenotípica e múltiplos perfis de expressão genética. A disfunção metabólica do EPR demonstra potencial como alvo generalizável para o tratamento precoce da DMRI.

Doença macular relacionada à idade (DMRI) é uma das principais causas de cegueira e há pouco tratamento atualmente disponível pelo qual o progresso do distúrbio básico pode ser modulado. Estudos histológicos e clínicos mostram que os principais tecidos envolvidos são a retina externa, epitélio pigmentar da retina, membrana de Bruch e coroide. Devido a uma grande variação de fenótipo de um caso para outro, foi sugerido que a fenotipagem precisa seria necessária para avaliar a eficácia do tratamento direcionado ao tecido. No entanto, com base nos resultados do estudo de material de doador humano e modelos animais de doença e de cultura de células, conclui-se que a disfunção do epitélio pigmentar da retina desempenha um papel central no processo da doença na maioria, se não em todos, os casos de DMRI inicial. O metabolismo do material fagossômico, particularmente lipídios, e geração de energia são interdependentes, e a disfunção de ambos parece ser importante na gênese da doença. Existem evidências que sugerem que ambos podem ser modulados terapeuticamente. Essas funções metabólicas são passíveis de investigação adicional tanto no estado normal quanto na doença. Uma vez totalmente caracterizado, é provável que o tratamento possa ser direcionado para um número limitado de funções em um único tecido, simplificando assim as estratégias de tratamento.

Este artigo explora o papel do epitélio pigmentar da retina (EPR) na doença macular relacionada à idade, pois pesquisas anteriores concluíram que a disfunção epitelial pigmentar da retina desempenha um papel central em muitos casos de DMRI precoce. O autor postula que uma melhor compreensão do papel do EPR na DMRI poderia levar a estudos mais direcionados do EPR, simplificando assim as estratégias de tratamento. O artigo se aprofunda em estudos que avaliam o metabolismo lipídico, bem como a geração de energia no EPR como os principais culpados na formação precoce de DMRI seca. A terceira via possível, ativação do inflamassoma, não é abordada em grande detalhe.

O autor conclui que, devido à evidência de que o estresse do EPR pode iniciar os eventos que levam à DMRI precoce em muitos casos, seria um bom alvo terapêutico para tratamentos futuros. Esses tratamentos podem ser direcionados para o processamento de lipídios ou geração de energia. Com uma melhor compreensão do processo de doença da DMRI e do papel do EPR, tais tratamentos e outros podem ser mais direcionados, e esse tratamento deve ser priorizado devido à importância da DMRI como um fardo para a saúde. É claro que, como o autor aponta, a DMRI é um amplo espectro de doenças e o processo patológico pode não ser universal para todos os subtipos de DMRI. Atualmente, existem alguns tratamentos em desenvolvimento que analisam especificamente a função do EPR e a função mitocondrial que o autor menciona brevemente, como o elamipretide, embora seja muito cedo para julgar sua eficácia.

Embora este artigo possa não ser útil para aqueles de nós que atendem clinicamente pacientes com DMRI, qualquer pesquisa que possa levar ao desenvolvimento de tratamentos para diminuir a incidência ou interromper a progressão da DMRI é fundamental, pois a DMRI é uma das principais causas de visão perda em nossos pacientes com idade superior a 60 anos. Felizmente, essa discussão perspicaz hoje sobre a patogênese da DMRI levará a melhores opções de tratamento amanhã.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.