POSSO USAR CORTICÓIDE NO TRATAMENTO DA PNEUMONIA?
PROBABILIDADES DE ATAQUE CARDÍACO SEIS VEZES MAIORES COM DIAGNÓSTICO DE GRIPE.
19/05/2023
OBESIDADE INFANTIL EM ASCENSÃO: ESTUDO EUROPEU REVELA O IMPACTO DA COVID-19
25/05/2023
PROBABILIDADES DE ATAQUE CARDÍACO SEIS VEZES MAIORES COM DIAGNÓSTICO DE GRIPE.
19/05/2023
OBESIDADE INFANTIL EM ASCENSÃO: ESTUDO EUROPEU REVELA O IMPACTO DA COVID-19
25/05/2023

O uso de corticoides no tratamento da pneumonia é uma abordagem terapêutica que tem sido estudada. Os corticoides possuem propriedades anti-inflamatórias e imunomoduladoras, que podem ajudar a reduzir a resposta inflamatória excessiva nos pulmões durante a infecção.

O uso de corticoides no tratamento da pneumonia é uma abordagem terapêutica que tem sido estudada. Os corticoides possuem propriedades anti-inflamatórias e imunomoduladoras, que podem ajudar a reduzir a resposta inflamatória excessiva nos pulmões durante a infecção. No entanto, os estudos sobre o uso de corticoides na pneumonia são ainda limitados e não há consenso sobre seus benefícios claros.

Em estudo de fase 3, multicêntrico, duplo-cego e randomizado (1), foi avaliado se os efeitos anti-inflamatórios e imunomoduladores dos glicocorticoides podem reduzir a mortalidade em pacientes com pneumonia adquirida na comunidade grave.

Foram incluídos adultos admitidos na unidade de terapia intensiva (UTI) com pneumonia adquirida na comunidade grave e randomizados para receber hidrocortisona intravenosa (200 mg diariamente por 4 ou 7 dias, conforme melhora clínica, seguida de redução gradual por um total de 8 ou 14 dias) ou placebo. Todos os pacientes receberam tratamento padrão, incluindo antibióticos e cuidados de suporte. O desfecho primário foi o óbito em 28 dias.

O estudo foi interrompido após a segunda análise intermediária planejada, quando 800 pacientes já haviam sido randomizados. Foram analisados os dados de 795 pacientes. No 28º dia, ocorreram 25 óbitos em 400 pacientes (6,2%; intervalo de confiança [IC] de 95%: 3,9 a 8,6) no grupo da hidrocortisona e 47 óbitos em 395 pacientes (11,9%; IC 95%: 8,7 a 15,1) no grupo do placebo (diferença absoluta, -5,6 pontos percentuais; IC 95%: -9,6 a -1,7; P=0,006). Entre os pacientes que não estavam em ventilação mecânica no início do estudo, 40 de 222 (18,0%) no grupo da hidrocortisona e 65 de 220 (29,5%) no grupo do placebo foram submetidos à intubação endotraqueal (hazard ratio, 0,59; IC 95%: 0,40 a 0,86). Entre os pacientes que não estavam recebendo vasopressores no início do estudo, 55 de 359 (15,3%) no grupo da hidrocortisona e 86 de 344 (25,0%) no grupo do placebo iniciaram tal terapia até o dia 28 (hazard ratio, 0,59; IC 95%: 0,43 a 0,82). As frequências de infecções hospitalares adquiridas e sangramento gastrointestinal foram semelhantes nos dois grupos; os pacientes do grupo da hidrocortisona receberam doses diárias mais altas de insulina durante a primeira semana de tratamento.

Conclui-se que, entre os pacientes com pneumonia adquirida na comunidade grave sendo tratados na UTI, aqueles que receberam hidrocortisona apresentaram menor risco de óbito no 28º dia em comparação com aqueles que receberam placebo.

Referência:

  • Pierre-François Dequin, M.D., Ph.D., Ferhat Meziani, M.D., Ph.D., Jean-Pierre Quenot, M.D., et al. Hydrocortisone in Severe Community-Acquired Pneumonia. N Engl J Med 2023; 388:1931-1941. Published 2023 May 25. DOI: 10.1056/NEJMoa2215145

Para acesso ao artigo, acesse:https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2215145

doctorhub.com.br

Comments are closed.