Uso de anticoncepcional oral por formulação e risco de câncer de mama por subtipo | DoctorHub

Uso de anticoncepcional oral por formulação e risco de câncer de mama por subtipo

Raça e etnia na cesariana e morbidade materna
25/01/2022
Aspirina de baixa dose para prevenção de pré-eclâmpsia de alto risco em mulheres de alto risco
25/01/2022
Raça e etnia na cesariana e morbidade materna
25/01/2022
Aspirina de baixa dose para prevenção de pré-eclâmpsia de alto risco em mulheres de alto risco
25/01/2022

Am J Obstet Gynecol · 05 de janeiro de 2022

  • Neste estudo de coorte prospectivo, os pesquisadores avaliaram a associação entre o uso de anticoncepcionais orais (OC) por formulação e o risco de câncer de mama por subtipo de doença. Os pesquisadores descobriram que o uso atual de CO estava associado a um risco maior de câncer de mama invasivo versus nunca usar; associações mais fortes existiam com maior duração do uso atual. O risco foi comparável a nunca usar 5 anos após a cessação do OC. As formulações de pílulas, incluindo levonorgestrel e norgestrel, foram associadas a maior risco de câncer de mama. As associações não diferiram significativamente por subtipo de tumor.
  • Esses resultados acrescentam à literatura existente que o uso atual de CO está associado a maior risco de câncer de mama invasivo.

FUNDO

O uso de contraceptivos orais (CO) tem sido associado a maior risco de câncer de mama; no entanto, as evidências sobre as associações entre as diferentes formulações de CO e o risco de câncer de mama, especialmente por subtipo de doença, são limitadas.

OBJETIVO

Avaliar as associações entre o uso de CO por formulação e o risco de câncer de mama por subtipo de doença.

DESIGN DE ESTUDO

Este estudo de coorte prospectivo incluiu 107.069 mulheres do Nurses’ Health Study II com uso recordado de CO desde os 13 anos até a linha de base (1989) e dados atualizados sobre o uso de CO até 2009 coletados por meio de questionários bienais. Um total de 5.799 casos de câncer de mama foram identificados até 2017. Modelos multivariáveis ​​de riscos proporcionais de Cox estimaram as razões de risco (HR) e intervalos de confiança de 95% [IC 95%] para associações entre o uso de CO e o risco de câncer de mama, em geral e por receptor de estrogênio e progesterona e estado HER2. O uso de CO foi avaliado pelo status de uso (atual, anterior e nunca), duração e tempo desde o último uso independentemente e classificado de forma cruzada e formulação (ou seja, tipo de estrogênio e progestina).

RESULTADOS

O uso atual de CO foi associado a maior risco de câncer de mama invasivo (HR 1,31 (IC 95% 1,09-1,58), vs. nunca usar), com associações mais fortes com maior duração do uso atual (> 5 anos, 1,56 (1,23-1,99) ; ≤5 anos, 1,19 (0,95-1,49)). A partir de >5 anos desde a cessação, o risco entre ex e nunca usuários foi semelhante (por exemplo, >5-10 anos desde a cessação, 0,99 (0,88-1,11)). As associações não diferiram significativamente por subtipo de tumor. Nas análises por formulação, o uso atual de formulações contendo levonorgestrel em regimes trifásicos (2,83 (1,98-4,03)) e de ciclo estendido (3,49 (1,28-9,53)) e norgestrel em regime monofásico (1,91 (1,19-3,06); vs. nunca Usuários de CO), todos combinados com etinilestradiol, foram associados a maior risco de câncer de mama.

CONCLUSÕES

O uso atual de CO foi associado a maior risco de câncer de mama invasivo, independentemente do subtipo da doença, embora o risco fosse comparável a nunca usuários 5 anos após a interrupção. Nas análises por tipo de progestina, foram observadas associações para formulações selecionadas, incluindo levonorgestrel e norgestrel. A avaliação das associações para novos tipos de progestágenos (desogestrel, norgestimato, drospirenona) foi limitada pelo tamanho da amostra, e mais pesquisas sobre progestinas introduzidas mais recentemente se justificam.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.