Raça e etnia na cesariana e morbidade materna | DoctorHub
Reserva ovariana após a vacinação contra Covid-19 com vacina mRNA; existe alguma queda?
25/01/2022
Uso de anticoncepcional oral por formulação e risco de câncer de mama por subtipo
25/01/2022
Reserva ovariana após a vacinação contra Covid-19 com vacina mRNA; existe alguma queda?
25/01/2022
Uso de anticoncepcional oral por formulação e risco de câncer de mama por subtipo
25/01/2022

Obstet Gynecol · 13 de janeiro de 2022

  • Nesta análise secundária de um estudo randomizado, os pesquisadores avaliaram diferenças de raça e etnia no parto cesáreo e morbidade materna em uma população de baixo risco, nulíparas, a termo. Os pesquisadores encontraram um risco relativo aumentado de cesariana entre pessoas negras não hispânicas (aRR, 1,21) e hispânicas (aRR, 1,26) em comparação com pessoas brancas não hispânicas. A morbidade materna foi maior entre mulheres negras não hispânicas (aRR, 1,05) e hispânicas (aRR, 1,92) em comparação com mulheres brancas não hispânicas.
  • Esses resultados demonstram que gestantes não hispânicas negras e hispânicas que são de baixo risco e nulíparas são mais propensas a cesariana primária, o que representa uma parcela do excesso de morbidade materna. Pesquisas futuras devem explorar as razões por trás da maior taxa de cesariana primária nessa população.

OBJETIVO

Avaliar diferenças de raça e etnia no parto cesáreo e morbidade materna em nulíparas de baixo risco a termo.

MÉTODOS

Realizamos uma análise secundária de um estudo randomizado de conduta expectante em comparação com a indução do trabalho de parto em nulíparas de baixo risco a termo. O desfecho primário foi parto cesáreo. O desfecho secundário foi a morbidade materna, definida como: transfusão de 4 ou mais unidades de hemácias, qualquer transfusão de outros produtos, infecção pós-parto, internação em unidade de terapia intensiva, histerectomia, tromboembolismo venoso ou morte materna. A regressão de Poisson modificada multivariada foi usada para avaliar as associações entre raça e etnia, parto cesáreo e morbidade materna. A indicação de parto cesáreo foi avaliada por meio de regressão logística multinomial multivariada. Um modelo de mediação foi usado para estimar a parcela da morbidade materna atribuível à cesariana por raça e etnia.

RESULTADOS

Das 5.759 participantes incluídas, 1.158 (20,1%) realizaram cesariana; 1.404 (24,3%) identificados como negros não hispânicos, 1.670 (29,0%) como hispânicos e 2.685 (46,6%) como brancos não hispânicos. Modelos ajustados mostraram aumento do risco relativo de cesariana entre pessoas negras não hispânicas (risco relativo ajustado [aRR] 1,21, IC 95% 1,03-1,42) e hispânicas (aRR 1,26, IC 95% 1,08-1,46) em comparação com pessoas brancas não hispânicas pessoas. A morbidade materna afetou 132 (2,3%) indivíduos e foi aumentada entre pessoas negras não hispânicas (aRR 2,05, IC 95% 1,21-3,47) e hispânicas (aRR 1,92, IC 95% 1,17-3,14) em comparação com pessoas brancas não hispânicas . O parto cesáreo foi responsável por uma estimativa de 15,8% (IC 95% 2,1-48,7%) e 16,5% (IC 95% 4,0-44,0%) do excesso de morbidade materna entre pessoas negras e hispânicas não hispânicas, respectivamente.

CONCLUSÃO

Nulíparas negras e hispânicas não hispânicas que são de baixo risco a termo realizam cesariana com mais frequência do que nulíparas brancas não hispânicas de baixo risco. Essa diferença é responsável por uma parcela modesta do excesso de morbidade materna.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.