Incidência de coqueluche infantil.
Preferência Médica por modelo de contato.
08/02/2023
Detecção precoce de autismo.
24/02/2023
Preferência Médica por modelo de contato.
08/02/2023
Detecção precoce de autismo.
24/02/2023

Tendências de incidência de coqueluche infantil nos EUA antes e depois da implementação da vacina materna contra tétano, difteria e coqueluche

Pontos chave:

Pergunta   O toxóide tetânico materno, o toxóide diftérico reduzido e a vacinação acelular contra coqueluche (Tdap) durante a gravidez estão associados a uma diminuição na incidência de coqueluche entre bebês americanos com menos de 2 meses?

Achados   Neste estudo ecológico de 57.460 casos de coqueluche relatados em lactentes com menos de 1 ano entre 2000 e 2019, a incidência de coqueluche entre lactentes com menos de 2 meses diminuiu após a introdução da vacinação materna com Tdap; nenhuma diminuição similar ocorreu entre lactentes de 6 meses a menos de 12 meses. No geral, houve uma diferença significativa entre as diferenças nas taxas de incidência entre os períodos de vacinação Tdap pré-maternal e pós-maternal.

Significado   Esses achados sugerem que a vacinação materna com Tdap está associada a uma redução da coqueluche em lactentes menores de 2 meses, a faixa etária alvo da estratégia.

Importância   Bebês menores de 1 ano têm a maior carga de morbidade e mortalidade por coqueluche. Em 2011, os EUA introduziram o toxóide tetânico, o toxóide diftérico reduzido e a vacinação acelular contra a tosse convulsa (Tdap) durante a gravidez para proteger os bebês antes do início da vacinação.

Objetivo   Avaliar a associação da vacinação materna com Tdap durante a gravidez com a incidência de coqueluche entre lactentes nos EUA.

Desenho, ambiente e participantes   Neste estudo ecológico, foi realizada uma análise de tendência temporal de casos infantis de coqueluche relatados por meio do Sistema Nacional de Vigilância de Doenças Notificáveis ​​entre 1º de janeiro de 2000 e 31 de dezembro de 2019, nos EUA. A análise estatística foi realizada de 1º de abril de 2020 a 31 de outubro de 2022.

Exposições   Vacinação materna com Tdap durante a gravidez.

Principais Resultados e Medidas   As taxas de incidência de coqueluche foram calculadas e comparadas entre 2 períodos—o período de vacinação pré-maternal Tdap (2000-2010) e o período pós-vacinação materna Tdap (2012-2019)—para 2 faixas etárias: crianças menores de 2 anos meses (grupo alvo de vacinação materna) e lactentes com idade entre 6 meses e menos de 12 meses (grupo de comparação). As diferenças nas taxas de incidência entre os 2 grupos de idade foram modeladas usando regressão linear segmentada ponderada. A diferença de inclinação entre os 2 períodos foi estimada para avaliar a associação da vacinação materna com Tdap com a incidência de coqueluche entre os lactentes.

Resultados   Um total de 57.460 casos de coqueluche foram notificados em crianças menores de 1 ano entre 2000 e 2019; 19.322 casos (33,6%) ocorreram em lactentes com menos de 2 meses. Durante o período de vacinação pré-maternal com Tdap, a incidência anual de coqueluche não se alterou entre crianças menores de 2 meses (inclinação, 3,29 por 100.000 crianças por ano; P = 0,28), mas aumentou ligeiramente entre  crianças de 6 meses a menos de 12 meses (inclinação, 2,10 por 100.000 bebês por ano; P  = 0,01). Não houve mudança na diferença de incidência entre os 2 grupos de idade (inclinação, 0,08 por 100.000 bebês por ano; P = 0,97) durante todo o período de vacinação pré-maternal com Tdap. No entanto, no período de vacinação Tdap pós-maternal, a incidência diminuiu entre crianças menores de 2 meses (inclinação, -14,53 por 100.000 crianças por ano; P  = 0,001), enquanto permaneceu inalterada entre crianças de 6 meses a menos de 12 meses ( inclinação, 1,42 por 100.000 bebês por ano; P  = 0,29). A diferença da taxa de incidência entre os 2 grupos de idade diminuiu significativamente durante o período pós vacinação materna com Tdap (inclinação, -14,43 por 100.000 bebês por ano; P  < 0,001). As diferenças na taxa de incidência de coqueluche foram significativamente diferentes entre os períodos de vacinação Tdap pré-maternal e pós-maternal (diferença de inclinação, -14,51 por 100.000 bebês por ano; P = 0,01).

Conclusões e Relevância   Neste estudo, após a introdução da vacina Tdap materna, uma diminuição sustentada na incidência de coqueluche foi observada entre lactentes menores de 2 meses, diminuindo a diferença de incidência com lactentes de 6 meses para menos de 12 meses. Esses achados sugerem que a vacinação materna com Tdap está associada a uma redução na carga de coqueluche na faixa etária alvo (<2 meses) e que aumentos adicionais na cobertura podem estar associados a reduções adicionais na doença infantil.

doctorhub.com.br

Comments are closed.