Escolhendo o tratamento oral mais eficaz e seguro para BH idiopática | DoctorHub

Escolhendo o tratamento oral mais eficaz e seguro para BH idiopática

Comorbidade psiquiátrica pode aumentar os riscos de mortalidade em pessoas com doença crônica
02/02/2022
Fatores genéticos e conversão do câncer de próstata da vigilância ativa para o tratamento
02/02/2022
Comorbidade psiquiátrica pode aumentar os riscos de mortalidade em pessoas com doença crônica
02/02/2022
Fatores genéticos e conversão do câncer de próstata da vigilância ativa para o tratamento
02/02/2022
  • Esta revisão sistemática e meta-análise teve como objetivo avaliar quais terapias orais são mais eficazes e seguras para o tratamento da bexiga hiperativa (BH). Um total de 54 estudos preencheram os critérios de inclusão – todos os ensaios clínicos randomizados em OAB idiopática com antimuscarínicos orais ou beta-3 agonistas. A oxibutinina 5 mg de liberação imediata 3 vezes ao dia foi o agente mais eficaz na redução dos episódios de incontinência por 24 horas em relação ao placebo, seguido de solifenacina 10 mg de liberação prolongada. A imidafenacina 0,5 mg/dia e a solifenacina 5 mg e 10 mg de liberação prolongada foram mais eficazes na diminuição dos episódios de micção, e a fesoterodina e a solifenacina mais eficazes na redução dos episódios de urgência. A maior taxa de boca seca foi associada à oxibutinina 5 mg de liberação imediata e a menor com agonistas beta-3, que foram semelhantes ao placebo. A constipação foi comum a todas as medicações OAB (exceto vibegron 100 mg). Mirabegrom 25 mg teve as maiores taxas de diarreia e tolterodina 4 mg as maiores taxas de visão turva.

  • No geral, a eficácia no alívio dos sintomas foi semelhante para antimuscarínicos e agonistas beta-3 com taxas variáveis ​​de eventos adversos.

CONTEXTO

A escolha da droga mais eficaz para pacientes com bexiga hiperativa idiopática (BIO) permanece desafiadora.

OBJETIVO

O objetivo desta meta-análise de rede foi determinar o antimuscarínico oral ou agonista β-adrenoceptor mais eficaz, responsável por eventos adversos para o manejo de IAIO.

AQUISIÇÃO DE EVIDÊNCIAS

Uma pesquisa eletrônica abrangente foi feita no MEDLINE, EMBASE, Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), PubMed e Ovid para estudos em qualquer idioma em fevereiro de 2021, considerando a declaração Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-analyses (PRISMA). Incluímos todos os ensaios clínicos randomizados que avaliaram antimuscarínicos orais ou agonistas de β-adrenoceptores para o tratamento de BIO. Determinamos o efeito de sintomas incômodos específicos separadamente.

SÍNTESE DE EVIDÊNCIA

Cinquenta e quatro artigos foram incluídos em nossa análise. Os agentes mais eficazes considerando os desfechos avaliados foram oxibutinina 15 mg/d na redução dos episódios de incontinência, imidafenacina 0,5 mg/d juntamente com solifenacina 10 e 5 mg/d na redução dos episódios de micção, fesoterodina 4 e 8 mg/d e solifenacina 10 mg/d na redução de episódios de urgência, imidafenacina 0,5 mg/d e solifenacina 10 mg/d na redução de episódios de incontinência urinária de urgência e solifenacina 10 mg/d, vibegron 50 mg/d e fesoterodina 8 mg/d na melhora do volume miccional. Problemas gastrointestinais, principalmente devido aos agentes antimuscarínicos, foram os eventos adversos mais prevalentes.

CONCLUSÕES

Em conjunto, há apenas uma diferença mínima entre a eficácia dos antimuscarínicos orais e a dos agonistas dos receptores β-adrenérgicos. Embora seja impossível encontrar o melhor medicamento para todos, encontrar o melhor tratamento para cada paciente pode ser feito considerando a eficácia de um medicamento para o(s) sintoma(s) mais incômodo(s) em equilíbrio com os eventos adversos específicos do medicamento.

RESUMO DO PACIENTE

Este estudo teve como objetivo encontrar a medicação oral mais eficiente para o tratamento da bexiga hiperativa, levando em consideração os eventos adversos. Com base em nosso estudo, há uma diferença mínima na eficácia entre as duas principais classes de drogas usadas para tratar a bexiga hiperativa. Problemas gastrointestinais foram os eventos adversos mais comuns no tratamento médico da bexiga hiperativa. A seleção do melhor tratamento é possível através de uma tomada de decisão compartilhada entre o médico e o paciente com base no sintoma mais incômodo do paciente. Fornecemos uma estrutura para que os médicos facilitem a tomada de decisão compartilhada com cada paciente.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.