Efeitos dos inibidores do sistema renina-angiotensina | DoctorHub

Efeitos dos inibidores do sistema renina-angiotensina na mortalidade e gravidade da doença de pacientes com COVID-19: uma meta-análise de ensaios controlados randomizados

Efeito do AXS-05 (Dextrometorfano-Bupropiona) no Transtorno Depressivo Maior: Um Ensaio Randomizado Duplo-Cego Controlado.
18/05/2022
Tratamentos psicológicos para depressão e ansiedade na demência e comprometimento cognitivo leve
20/05/2022
Efeito do AXS-05 (Dextrometorfano-Bupropiona) no Transtorno Depressivo Maior: Um Ensaio Randomizado Duplo-Cego Controlado.
18/05/2022
Tratamentos psicológicos para depressão e ansiedade na demência e comprometimento cognitivo leve
20/05/2022

Em pacientes com COVID-19, o uso de inibidores do sistema renina-angiotensina-aldosterona versus o não uso, não aumenta a mortalidade ou a gravidade da doença.

RESUMO

Há controvérsia sobre os efeitos dos inibidores da enzima conversora de angiotensina (IECAs) e bloqueadores dos receptores da angiotensina II (BRAs) no prognóstico em pacientes com doença por coronavírus 2019 (COVID-19), portanto, pretendemos explorar ainda mais o efeito da renina- Inibidores do sistema angiotensina-aldosterona na gravidade e mortalidade da doença associada ao COVID-19.

MÉTODOS

Pesquisamos sistematicamente os bancos de dados PubMed, Embase, Cochrane Library, medRxiv e bioRxiv desde o início até 6 de setembro de 2021. O desfecho primário foi mortalidade por todas as causas. O desfecho secundário foi doença grave, definida como admissão na unidade de terapia intensiva, uso de ventilação mecânica não invasiva ou invasiva ou óbito.

RESULTADOS

Um total de 7 ensaios clínicos randomizados envolvendo 1.321 pacientes com COVID-19 foram incluídos. A meta-análise de efeitos fixos demonstrou que o uso de IECA/BRA não foi associado a maior risco de mortalidade (razão de risco [RR] = 0,84, intervalo de confiança de 95% [IC] 0,57–1,22, P = 0,10, I2 = 43% ) e gravidade da doença (RR = 0,86, IC 95% 0,71-1,05, P = 0,11, I2 = 47%). No entanto, a análise de subgrupo mostrou que, em comparação com o uso de IECA/BRA, o uso de BRA foi associado a uma redução significativa da mortalidade (RR = 0,23, IC 0,09-0,60, P = 0,55, I2 = 0%) e gravidade da doença ( RR = 0,38, CI 0,19-0,77, P = 0,007).

CONCLUSÕES

Em conclusão, com base nos dados disponíveis, IECA/BRA não está associado ao risco de mortalidade e gravidade da doença em pacientes com COVID-19. E os medicamentos IECA/BRA, especialmente BRA, não devem ser descontinuados para pacientes com COVID-19.

Para ler o resumo completo, em português, acesse a plataforma. Ainda não é cadastrado? Cadastre-se aqui .

Este resumo refere-se ao conteúdo originalmente publicado em: https://academic.oup.com/ajh/article/35/5/462/6581222?login=false

doctorhub.com.br

Comments are closed.