Efeitos adversos relatados pelo paciente reduzidos ao mudar de metotrexato oral para subcutâneo | DoctorHub

Efeitos adversos relatados pelo paciente reduzidos ao mudar de metotrexato oral para subcutâneo

Riscos de miocardite, pericardite e arritmias cardíacas associadas à vacinação com COVID-19
02/02/2022
Adoção da Vacinação contra o Papilomavírus Humano entre Cirurgiões Dermatológicos
02/02/2022
Riscos de miocardite, pericardite e arritmias cardíacas associadas à vacinação com COVID-19
02/02/2022
Adoção da Vacinação contra o Papilomavírus Humano entre Cirurgiões Dermatológicos
02/02/2022

J Am Acad Dermatol; 2021 Dec 30

  • Neste estudo de coorte multicêntrico prospectivo, 83 adultos tratados com metotrexato oral por ≥3 meses foram avaliados após a mudança para metotrexato subcutâneo. As razões para a mudança incluíram efeitos colaterais gastrointestinais, astenia/mal-estar/fadiga, dor de cabeça, testes de função hepática elevados e falta de eficácia. A dose média foi de 15 mg semanalmente para ambas as formulações orais e subcutâneas. A frequência e intensidade de náusea e astenia diminuíram no seguimento de 3 meses.

  • A mudança de metotrexato oral para subcutâneo pode reduzir a náusea e a astenia.

O que você sabe sobre o uso de metotrexato subcutâneo para tratar pacientes dermatológicos? Se você acredita que não sabe o suficiente, você é encorajado a continuar lendo.

Muitas condições dermatológicas (incluindo, mas não se limitando a, psoríase e dermatite atópica) respondem bem ao tratamento com metotrexato. Ocasionalmente, os pacientes em uso de metotrexato oral apresentam efeitos colaterais como náuseas, vômitos, estomatite, astenia e toxicidade hepática, entre outros, o que força a descontinuação do metotrexato em detrimento do excelente controle da doença.

Este estudo fornece dados prospectivos que ilustram a melhora da náusea e da astenia após a transição do metotrexato oral uma vez por semana para o metotrexato subcutâneo uma vez por semana em 83 pacientes com psoríase, artrite psoriática, dermatite atópica e várias outras condições, incluindo esclerodermia localizada, prurigo nodularis, lúpus eritematoso , sarcoidose e micose fungóide. Especificamente, a frequência da náusea, a intensidade da náusea e a frequência da astenia diminuíram significativamente após 3 meses de metotrexato subcutâneo. Curiosamente, a frequência de vômitos não mudou significativamente. Dentro de uma subpopulação que mudou de metotrexato oral para subcutâneo, particularmente para combater náuseas, ocorreu uma diminuição significativa ainda maior na frequência de náusea, intensidade de náusea, frequência de vômito e frequência de astenia. Como observam os autores,

No geral, este estudo fornece evidências significativas de que a intolerância ao metotrexato oral pode ser combatida usando metotrexato subcutâneo e oferece aos pacientes outra opção para manter o controle de sua doença, minimizando os efeitos colaterais. De fato, essa abordagem pode ser prudente em condições mais raras, como esclerodermia localizada; mas, para condições como psoríase e dermatite atópica, existem várias terapias injetáveis ​​alternativas muito melhores e mais seguras (ou seja, biológicos) que fariam mais sentido se o plano fosse mudar de um agente oral para um agente injetável.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.