Diagnóstico, Mecanismos e Manejo da ICFEP | DoctorHub
O primeiro anticorpo biespecífico direcionado a HER2 KN026 em humanos para câncer de mama metastático positivo para HER2
25/01/2022
Satisfação e eficácia relatadas pelo paciente da fototerapia domiciliar
31/01/2022
O primeiro anticorpo biespecífico direcionado a HER2 KN026 em humanos para câncer de mama metastático positivo para HER2
25/01/2022
Satisfação e eficácia relatadas pelo paciente da fototerapia domiciliar
31/01/2022

Heart; 2022 Jan 12

  • Este artigo de revisão discute os avanços estabelecidos e recentes no diagnóstico, mecanismos e manejo da insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (ICFEP).

  • À luz de novos insights sobre a fisiopatologia da ICFEp e uma compreensão mais profunda da eficácia do tratamento, pesquisas futuras devem se concentrar no desenvolvimento de opções de tratamento personalizadas para os pacientes.

Estima-se que metade de todos os pacientes com insuficiência cardíaca (IC) tenha IC com fração de ejeção preservada (ICFEP). No entanto, essa forma de IC continua sendo um desafio diagnóstico e terapêutico. Diferenciar a ICFEP de outras causas de dispneia pode exigir métodos diagnósticos avançados, como ecocardiografia de exercício, hemodinâmica invasiva e investigações para ‘imitadores de ICFEP’. Embora a classificação da IC tenha se baseado fortemente em pontos de corte na fração de ejeção do ventrículo esquerdo (FEVE), evidências recentes apontam para uma mudança gradual nos mecanismos subjacentes, fenótipos e resposta a terapias à medida que a FEVE aumenta. Por exemplo, entre pacientes com IC, a proporção de hospitalizações e óbitos por causas cardíacas diminui à medida que a FEVE aumenta. As classes de medicamentos eficazes na IC com fração de ejeção reduzida (ICFEr) foram menos eficazes em faixas de FEVE mais altas, diminuindo o risco de hospitalização por IC, mas não de morte cardiovascular ou por todas as causas na ICFEp. Essas observações refletem a carga de comorbidades não cardíacas à medida que a FEVE aumenta e destacam os complexos mecanismos fisiopatológicos, tanto cardíacos quanto não cardíacos, subjacentes à ICFEp. O tratamento com inibidores do cotransportador sódio-glicose 2 reduz o risco de eventos cardiovasculares compostos, impulsionados pela redução das hospitalizações por IC; bloqueadores renina-angiotensina-aldosterona e inibidores de angiotensina-neprilisina resultam em menores reduções nas hospitalizações por IC entre pacientes com ICFEP. O manejo abrangente da ICFEp inclui exercícios, bem como o tratamento de fatores de risco e comorbidades. A classificação baseada em fenótipos pode facilitar uma abordagem mais direcionada ao tratamento do que a categorização da FEVE, que define pontos de corte arbitrários quando a FEVE é um continuum. Esta revisão narrativa resume a fisiopatologia, diagnóstico, classificação e manejo de pacientes com ICFEp.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.