Tratamento neoadjuvante ± Atezolizumabe em TNBC de alto risco | DoctorHub

Tratamento neoadjuvante ± Atezolizumabe em TNBC de alto risco

Declarações de consenso de especialistas da ESMO sobre o gerenciamento de EGFR-mutante NSCLC
25/02/2022
Ibrutinibe e Venetoclax como terapia de linha de frente para LLC
25/02/2022
Declarações de consenso de especialistas da ESMO sobre o gerenciamento de EGFR-mutante NSCLC
25/02/2022
Ibrutinibe e Venetoclax como terapia de linha de frente para LLC
25/02/2022
  • Este estudo multicêntrico randomizado avaliou o tratamento com atezolizumab, um inibidor de checkpoint imunológico (ICI), em pacientes com câncer de mama triplo negativo (TNBC) de alto risco. Atezolizumabe com carboplatina/nab-paclitaxel neoadjuvante não demonstrou um aumento estatisticamente significativo na taxa de remissão patológica completa (pCR) em comparação com quimioterapia neoadjuvante isolada em TNBC de alto risco em estágio inicial e localmente avançado.

  • A adição de ICIs à quimioterapia neoadjuvante melhorou significativamente a taxa de pCR nos ensaios KEYNOTE-522 e IMpassion031. O regime KEYNOTE-522 continua sendo o único regime que inclui um ICI no cenário neoadjuvante em TNBC de alto risco em estágio inicial e localmente avançado.

O câncer de mama triplo negativo (TNBC) de alto risco é caracterizado por prognóstico ruim, rápida progressão para estágio metastático e início de resistência à quimioterapia, representando assim uma área que necessita de novas abordagens terapêuticas. A expressão de PD-L1 é um mecanismo adaptativo de resistência do tumor aos linfócitos infiltrantes do tumor, que por sua vez são necessários para a resposta à quimioterapia. No geral, os dados disponíveis apoiam o conceito de que o bloqueio do ponto de verificação PD-L1/PD-1 pode melhorar a eficácia da quimioterapia clássica.

PACIENTES E MÉTODOS

Duzentos e oitenta pacientes com TNBC foram inscritos neste estudo multicêntrico (NCT002620280) e randomizados para carboplatina neoadjuvante AUC 2 e nab-paclitaxel 125 mg/m 2  iv nos dias 1 e 8, sem ( N  = 142) ou com ( N  = 138) atezolizumab 1200 mg iv no dia 1. Ambos os regimes foram administrados a cada 3 semanas durante 8 ciclos antes da cirurgia e 4 ciclos de um regime adjuvante de antraciclina. O objetivo primário do estudo é comparar a sobrevida livre de eventos, um objetivo secundário importante foi a taxa de remissão patológica completa (pCR definida como ausência de células invasivas na mama e linfonodos). A população primária para todos os parâmetros de eficácia é a população com intenção de tratar.

RESULTADOS

A análise de intenção de tratar revelou que a taxa de pCR após o tratamento com atezolizumab (48,6%) não atingiu significância estatística em comparação com nenhum atezolizumab [44,4%: odds ratio (OR) 1,18; 95% CI 0,74-1,89; P  = 0,48]. Os eventos adversos relacionados ao tratamento foram semelhantes com ambos os regimes, exceto por uma incidência global significativamente maior de eventos adversos graves e anormalidades das transaminases hepáticas com atezolizumabe.

CONCLUSÕES

A adição de atezolizumabe ao  nab – paclitaxel e carboplatina não aumentou significativamente a taxa de pCR em mulheres com TNBC. Na análise multivariada, a presença de expressão de PD-L1 foi o fator que mais influenciou a taxa de pCR (OR 2,08). O acompanhamento contínuo para a sobrevida livre de eventos está em andamento e estudos moleculares estão em andamento.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.