SERÁ QUE JÁ TEMOS UMA PROFILAXIA PARA HANSENÍASE?
O CHATGPT É PRECISO NA MAIORIA DOS QUESTIONAMENTOS SOBRE PREVENÇÃO E TRIAGEM NO CÂNCER DE MAMA.
18/05/2023
VACINA FRACIONADA CONTRA A FEBRE AMARELA EM PACIENTES VIVENDO COM HIV.
19/05/2023
O CHATGPT É PRECISO NA MAIORIA DOS QUESTIONAMENTOS SOBRE PREVENÇÃO E TRIAGEM NO CÂNCER DE MAMA.
18/05/2023
VACINA FRACIONADA CONTRA A FEBRE AMARELA EM PACIENTES VIVENDO COM HIV.
19/05/2023

A rifapentina, uma poderosa droga antibacteriana, tem sido amplamente estudada como uma opção promissora para a profilaxia da hanseníase. Embora tenha havido avanços no tratamento e controle da hanseníase ao longo dos anos, a profilaxia ainda desempenha um papel crucial na prevenção da transmissão e no controle da disseminação da doença.

A rifapentina, uma poderosa droga antibacteriana, tem sido amplamente estudada como uma opção promissora para a profilaxia da hanseníase. Embora tenha havido avanços no tratamento e controle da hanseníase ao longo dos anos, a profilaxia ainda desempenha um papel crucial na prevenção da transmissão e no controle da disseminação da doença.

A rifapentina é um derivado da rifampicina, um antibiótico amplamente utilizado no tratamento da tuberculose e outras infecções bacterianas. Sua eficácia no combate à hanseníase tem sido demonstrada em estudos clínicos, nos quais uma dose única da droga mostrou-se capaz de prevenir o desenvolvimento da doença em indivíduos expostos ao Mycobacterium leprae.

A vantagem da utilização da rifapentina em dose única para a profilaxia da hanseníase é a sua longa meia-vida, o que permite uma maior adesão ao tratamento por parte dos pacientes. Diferentemente de outras opções de profilaxia que exigem a administração diária de medicamentos por um período prolongado, a dose única de rifapentina simplifica o esquema terapêutico e reduz os desafios relacionados à aderência ao tratamento.

Além disso, estudos sugerem que a rifapentina é eficaz não apenas na prevenção da infecção inicial pelo Mycobacterium leprae, mas também na prevenção da reativação da doença em pessoas que já foram tratadas. Essa propriedade da rifapentina é particularmente importante em áreas endêmicas onde a hanseníase é prevalente, pois ajuda a evitar a recorrência da doença em pacientes previamente afetados.

Foi realizado um estudo controlado publicado na NEJM (1) em maio de 2023 que teve como objetivo avaliar a incidência de hanseníase em contactantes intradomiciliares que usaram rifampicina e rifapentina profilática.

Um total de 207 grupos, totalizando 7.450 contatos domiciliares, passaram por randomização. 68 grupos (2.331 contatos domiciliares) foram designados para o grupo da rifapentina, 71 (2.760) para o grupo da rifampicina e 68 (2.359) para o grupo de controle. Ao longo de 4 anos de acompanhamento, ocorreram um total de 24 novos casos de hanseníase, resultando em uma incidência acumulada de 0,09% (intervalo de confiança de 95% [IC], 0,02 a 0,34) com a rifapentina (2 casos), 0,33% (IC 95%, 0,17 a 0,63) com a rifampicina (9 casos) e 0,55% (IC 95%, 0,32 a 0,95) sem intervenção (13 casos). Em uma análise de intenção de tratar, a incidência acumulada no grupo da rifapentina foi 84% menor do que no grupo de controle (razão de incidência acumulada, 0,16; IC 95% ajustado para múltiplas comparações, 0,03 a 0,87; P=0,02); a incidência acumulada não diferiu significativamente entre o grupo da rifampicina e o grupo de controle (razão de incidência acumulada, 0,59; IC 95% ajustado para múltiplas comparações, 0,22 a 1,57; P=0,23). Em uma análise por protocolo, a incidência acumulada foi de 0,05% com a rifapentina, 0,19% com a rifampicina e 0,63% sem intervenção. Nenhum evento adverso grave foi observado.

Em resumo, os autores concluem que a incidência de hanseníase entre contatos domiciliares ao longo de 4 anos foi menor com a rifapentina em dose única do que sem intervenção. Ela apresenta um potencial significativo para reduzir a carga da doença e controlar sua disseminação.

Referência:

Le Wang, M.D., Ph.D., Hongsheng Wang, M.D., Ph.D., Liangbin Yan, M.D., et al. Single-Dose Rifapentine in Household Contacts of Patients with Leprosy. N Engl J Med 2023; 388:1843-1852 DOI: 10.1056/NEJMoa2205487

Para acesso ao artigo, acesse:https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa2205487

doctorhub.com.br

Comments are closed.