Prevendo o declínio cognitivo em idosos com diabetes tipo 2 através dos níveis de marcadores inflamatórios basais | DoctorHub

Prevendo o declínio cognitivo em idosos com diabetes tipo 2 através dos níveis de marcadores inflamatórios basais

Momento ideal para iniciar DOACs após acidente vascular cerebral isquêmico com fibrilação atrial
25/02/2022
Declarações de consenso de especialistas da ESMO sobre o gerenciamento de EGFR-mutante NSCLC
25/02/2022
Momento ideal para iniciar DOACs após acidente vascular cerebral isquêmico com fibrilação atrial
25/02/2022
Declarações de consenso de especialistas da ESMO sobre o gerenciamento de EGFR-mutante NSCLC
25/02/2022
  • Este estudo avaliou a associação longitudinal de marcadores circulantes de inflamação sistêmica com subsequente alteração cognitiva de longo prazo em idosos com diabetes tipo 2. Os autores analisaram dados do Edinburgh Type 2 Diabetes Study (n = 1.066 adultos com diabetes tipo 2 acompanhados por 10 anos). Níveis basais mais altos de marcadores inflamatórios sistêmicos, incluindo IL-6 plasmático, fibrinogênio e proteína C-reativa, predisseram maior declínio cognitivo. Alguns domínios cognitivos foram particularmente afetados, incluindo velocidade de processamento, função executiva e raciocínio não verbal.

  • O declínio cognitivo está associado a maior inflamação basal entre adultos com diabetes tipo 2. Pesquisas futuras são necessárias para caracterizar ainda mais essa associação e entender como mitigar o declínio cognitivo nessa população.

OBJETIVOS/HIPÓTESE

Nosso objetivo foi determinar a associação longitudinal de marcadores circulantes de inflamação sistêmica com subsequente alteração cognitiva de longo prazo em idosos com diabetes tipo 2.

MÉTODOS

O Edinburgh Type 2 Diabetes Study é um estudo de coorte prospectivo de 1.066 adultos com idades entre 60 e 75 anos com diabetes tipo 2. Os dados basais incluíram proteína C reativa, IL-6, fibrinogênio TNF-α e testes neuropsicológicos nos principais domínios cognitivos. O teste cognitivo foi repetido após 10 anos em 581 participantes. Uma pontuação geral de habilidade cognitiva foi derivada da bateria de sete testes cognitivos individuais usando análise de componentes principais. A regressão linear foi usada para determinar associações longitudinais entre marcadores inflamatórios basais e resultados cognitivos no acompanhamento, com os resultados dos testes cognitivos basais incluídos como covariáveis ​​para modelar a mudança cognitiva ao longo do tempo.

RESULTADOS

Após o ajuste para idade, sexo e capacidade cognitiva geral inicial, fibrinogênio basal e IL-6 mais altos foram associados a maior declínio na capacidade cognitiva geral (βs padronizado = -0,059, p = 0,032 e -0,064, p = 0,018, respectivamente). Essas associações perderam significância estatística após o ajuste para covariáveis ​​vasculares e relacionadas ao diabetes basais. Ao avaliar associações com testes cognitivos individuais, maior IL-6 foi associado a maior declínio nos testes de função executiva e raciocínio abstrato (βs padronizados = 0,095, p=0,006 e -0,127, p=0,001, respectivamente). Da mesma forma, níveis elevados de fibrinogênio e proteína C-reativa foram associados com maior declínio na velocidade de processamento (βs padronizados = -0,115, p = 0,001 e -0,111, p = 0,001, respectivamente).

CONCLUSÕES/INTERPRETAÇÃO

Níveis basais mais altos de marcadores inflamatórios, incluindo IL-6 no plasma, fibrinogênio e proteína C-reativa, foram associados ao declínio cognitivo subsequente em idosos com diabetes tipo 2. Pelo menos parte dessa associação parecia ser específica para certos domínios cognitivos e ser independente de fatores de risco vasculares e relacionados ao diabetes.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.