Experiência subjetiva e significado dos delírios na psicose | DoctorHub

Experiência subjetiva e significado dos delírios na psicose: uma revisão sistemática e síntese de evidências qualitativas. THE LANCET PSYCHIATRY.

Antibióticos versus placebo em adultos com apendicite aguda não complicada confirmada por TC (APPAC III): estudo randomizado duplo-cego de superioridade
13/05/2022
O Curso de Habilidade Cognitiva Geral em Indivíduos com Transtornos Psicóticos
18/05/2022
Antibióticos versus placebo em adultos com apendicite aguda não complicada confirmada por TC (APPAC III): estudo randomizado duplo-cego de superioridade
13/05/2022
O Curso de Habilidade Cognitiva Geral em Indivíduos com Transtornos Psicóticos
18/05/2022

Os delírios são uma característica transdiagnóstica comum dos transtornos psicóticos, e seu tratamento permanece subótimo. Apesar da necessidade premente de compreender melhor a natureza, o significado e o curso desses sintomas, a pesquisa sobre a experiência vivida dos fenômenos delirantes na psicose é escassa. Assim, objetivamos explorar a experiência vivida e a apreensão subjetiva de delírios em indivíduos com psicose em busca de ajuda, independentemente do diagnóstico e do conteúdo temático do delírio.

METOLOGIA

Em nossa revisão sistemática e síntese de evidências qualitativas, pesquisamos no MEDLINE, Embase, PsycINFO, CINAHL e Web of Science por estudos qualitativos publicados em inglês desde o início do banco de dados, com a última pesquisa em 9 de setembro de 2021. Pesquisa de literatura cinzenta e pesquisa manual de revistas relevantes também foram feitas. Os estudos eram elegíveis se fornecessem uma análise da experiência vivida de delírios ou fenômenos pré-delírios apresentados a partir da perspectiva de indivíduos (14 a 65 anos) que desenvolveram um estágio clínico de alto risco de psicose ou um psicótico afetivo ou não afetivo diagnosticável transtorno (conforme definido clinicamente, autorrelatado ou avaliado no estudo primário). Estudos com apenas um subconjunto de participantes relevantes eram elegíveis apenas se os dados para a população de interesse fossem relatados separadamente. Estudos que não discriminaram entre a experiência de delírios e outros sintomas positivos (por exemplo, alucinações) foram incluídos apenas se os dados para delírios fossem relatados separadamente ou pudessem ser extraídos. Relatos em primeira pessoa (e interpretações do autor) discutindo mudanças no sentido de si mesmo, mundo vivido e significado em relação aos delírios foram extraídos e sintetizados usando uma nova abordagem de síntese temática informada por uma postura realista crítica e uma estrutura teórica fenomenológica. Temas analíticos foram desenvolvidos em uma nova estrutura abrangente para entender o surgimento de fenômenos delirantes. O estudo foi registrado no PROSPERO, CRD42020222104.

DESCOBERTAS

Dos 3.265 registros triados, 2.115 foram identificados após a remoção da duplicata. Destes, 1.982 foram excluídos após a triagem de títulos e resumos e 106 após a avaliação de elegibilidade do texto completo. Dos 27 estudos que entraram na avaliação de qualidade, 24 estudos elegíveis foram incluídos na síntese de evidências qualitativas, representando as perspectivas de 373 indivíduos em busca de ajuda com experiência vivida de delírios no contexto de psicose. O gênero foi relatado como masculino (n=210), feminino (n=110), transgênero (n=1) ou não relatado (n=52). Apenas 13 estudos relataram a etnia, com predominância da cor branca. A idade da maioria dos participantes variou de 15 a 65 anos. Não encontramos estudos elegíveis investigando experiências subclínicas ou pré-delírios em populações de estado mental em risco por meio de métodos qualitativos. A maioria dos estudos foi realizada em sociedades ocidentais, educadas, industrializadas, ricas e democráticas (WEIRD), e a maioria dos participantes incluídos recebeu ou autorrelataram um diagnóstico dentro do espectro da esquizofrenia. Os estudos diferiram em relação ao foco em um tipo ou tema de delírio ou fenômenos delirantes mais geralmente como uma categoria unificada. Três temas superordenados relacionados às mudanças experienciais e significados no delírio foram identificados: (1) um rearranjo radical do mundo vivido dominado por emoções intensas; (2) duvidar, perder e reencontrar-se em realidades delirantes; e (3) busca de significado, pertencimento e coerência além da mera disfunção. Com base nos achados da revisão e na síntese temática, propomos o Modelo de Emergência do Delírio para avançar na compreensão dos fenômenos delirantes na psicose.

INTERPRETAÇÃO

Os delírios são mais bem compreendidos como fenômenos fortemente individualizados e inerentemente complexos que emergem de uma interação dinâmica entre processos interpessoais, pessoais, interpessoais e socioculturais interdependentes. Abordagens integrativas de pesquisa sobre delírio, que considerem sua potencial adaptabilidade e favoreçam o pluralismo explicativo, podem ser vantajosas. O atendimento clínico eficaz para indivíduos com psicose pode precisar de adaptação para corresponder mais de perto e levar em conta a experiência subjetiva e o significado dos delírios à medida que são vividos, o que também pode ajudar a corrigir desequilíbrios de poder e injustiças epistêmicas duradouras na saúde mental.

FINANCIAMENTO

Priestley Scholars, Wellcome Trust.

Para ler o resumo completo, em português, acesse a plataforma. Ainda não é cadastrado? Cadastre-se aqui .

Este resumo refere-se ao conteúdo originalmente publicado em: https://www.thelancet.com/journals/lanpsy/article/PIIS2215-0366(22)00104-3/fulltext

doctorhub.com.br

Comments are closed.