Diagnóstico, Mecanismos e Manejo da ICFEP Ângulo do nervo óptico na hipertensão intracraniana idiopática | DoctorHub

Diagnóstico, Mecanismos e Manejo da ICFEP Ângulo do nervo óptico na hipertensão intracraniana idiopática

Incidência e prevalência de DII pediátrica aumentando globalmente
31/01/2022
Tipo de catarata e diagnóstico e classificação de gravidade usando modelos de aprendizado profundo
31/01/2022
Incidência e prevalência de DII pediátrica aumentando globalmente
31/01/2022
Tipo de catarata e diagnóstico e classificação de gravidade usando modelos de aprendizado profundo
31/01/2022

J Neuroophthalmol; 2021 Dec 01

  • Neste estudo retrospectivo, as relações potenciais entre o ângulo do nervo óptico (ONA, ou seja, ângulo de deformação do nervo óptico), pressão de abertura do líquido cefalorraquidiano (LCR) e função visual foram avaliadas em pacientes com hipertensão intracraniana idiopática (HII). Notavelmente, ONA foi significativamente menor em IIH em relação aos controles. No entanto, a ONA não se correlacionou com a pressão de abertura do LCR, gravidade do papiledema ou função visual.

  • A ONA pode ser um marcador alternativo e independente útil na identificação de pacientes com PIC elevada.

FUNDO

A tortuosidade do nervo óptico pode ser quantificada radiologicamente medindo o ângulo de deformação do nervo óptico (o “ângulo do nervo óptico” [ONA]). Em pacientes com hipertensão intracraniana idiopática (HII), a redução da pressão intracraniana (PIC) para uma faixa normal por punção lombar leva ao endireitamento do nervo óptico e a um aumento da ONA sagital medida na ressonância magnética. É incerto se existe alguma correlação entre a ONA e a pressão de abertura do líquido cefalorraquidiano (LCR) ou a função visual.

MÉTODOS

Estudo retrospectivo de pacientes com e sem HII que realizaram RM do encéfalo seguida de punção lombar com pressão de abertura do LCR em até 24 horas após a RM. Antes do LP e dentro de 24 horas da ressonância magnética do cérebro, todos os pacientes com HII tiveram avaliação neuro-oftalmológica, incluindo acuidade visual, campo visual de Humphrey (HVF) e fotografia de fundo. A ONA sagital foi medida em imagens multiplanares T2-SPACE em um visualizador DICOM. O papiledema nas fotografias de fundo de olho foi classificado usando a escala de Frisén.

RESULTADOS

Cinquenta e quatro pacientes com HII e 30 controles não pareados foram incluídos. O grupo HII era 6,3 anos mais jovem (IC 95% 2,4-10,3, P = 0,002), tinha 8,7 kg/m 2maior índice de massa corporal (4,9-12,5, P <0,001), e 26,3% mais mulheres (P = 0,011) em comparação com os controles. Em ambos os olhos, a ONA foi significativamente menor em pacientes com HII em 12° em comparação com os controles (7°-17°, P < 0,00001). No grupo IIH, não houve correlação entre ONA e a pressão de abertura do LCR em nenhum dos olhos (olho direito r = 0,19, P = 0,15; olho esquerdo r = 0,18, P = 0,19) O ONA não se correlacionou com o logaritmo do mínimo ângulo de acuidade visual de resolução (olho direito r = 0,26, P = 0,063; olho esquerdo r = 0,15, P = 0,27), desvio médio HVF (olho direito r = 0,0059, P = 0,97; olho esquerdo r = -0,069, P = 0,63), ou grau de Frisén (olho direito de Spearman 0,058, P = 0,67; olho esquerdo 0,14, P = 0,30).

CONCLUSÕES

A ONA é significativamente menor em pacientes com HII em comparação aos controles, mas não se correlaciona com a pressão de abertura do LCR, gravidade do papiledema ou função visual. A ONA pode ser útil na identificação de pacientes com PIC elevada, mas não necessariamente naqueles com prognóstico visual ruim.

Gostou do conteúdo? Acesse o link abaixo e descubra muito mais. Temos materiais sobre diversos assuntos disponíveis para você, além de vários outros benefícios. Confira!

doctorhub.com.br

Comments are closed.